TERAPIAS QUÂNTICAS – A NOVA MORADA DO CHARLATANISMO!

O advento da física quântica foi tão assombroso, assustador, inédito, original e surpreendente (sim, todos esses adjetivos se justificam) que até mesmo a mente mais unânime na época em que ela se consolidava, ninguém menos do que Albert Einstein, se mostrou resistente a aceitá-la. Ela foi tão diferente de tudo o que se observava na física até então que foi confundida como uma espécie de delírio científico por parte de cientistas muito criativos que queriam encontrar respostas para além do autorizado pela física clássica. Richard Feynman, um gênio norte-americano da física teórica, costumava dizer que “Se você acha que entendeu a física quântica, é porque você não a entendeu”. O que tem de mais com a física quântica? TUDO. Tudo que você supõe ser real, ou percebe como realidade, através dos seus olhos e demais órgãos do sentido, não são a mesma coisa na física quântica. A física quântica postula que medir uma coisa altera o estado desta coisa. Procede?

Procede, é ciência, mas a ciência do mundo subatômico, do mundo muito pequeno, onde as noções clássicas de espaço e tempo, onda e partícula se desintegram e passam a ser entendidas de forma muito diferente do que entendemos no mundo “tradicional”. É essa dificuldade de entender a física quântica, mais sua tese de que observar a realidade muda essa realidade (na física quântica, diga-se) que, juntada com a esperteza e má fé dos enganadores de plantão, a perpetuação de uma visão mágica da vida e a ideia de fazer terapia como uma reinauguração de si mesmo, faz da disseminação da palavra “quântico” uma espécie de suposta chancela pseudocientífica dessas ditas terapias. O uso da palavra quântico se aproveita da ignorância das pessoas sobre o que é a ciência física quântica e daí faz um caldeirão de baboseiras, sem base científica nenhuma, sem comprovação, sem dados, sem evidências, enfim, sem nada. Ora, não se quer aqui dizer que só a ciência presta. A filosofia e a psicanálise não são ciências a rigor – mas o são, operando com verificabilidade, lógica e coerência –, mas podem demonstrar a validade de suas proposituras. A fé não é inválida por não ser verificável cientificamente. O que se diz aqui é que toda essa floresta de práticas quânticas, se querem ser levadas a sério como práticas de saúde ou cura precisam convencer comprovando seu discurso ou, se não podem fazê-lo, se realocarem em outro nicho de prática, como o da fé ou crença, ou algo do tipo, e aí não discutiremos os méritos dessa fé ou crença, mesmo podendo acusar suas limitações, porque elas, as terapias quânticas, seriam assumidamente algo espiritual e a experiência de cada um é que diria sobre sua verdade e eficácia ou não. Todavia, não é o caso. As terapias quânticas se querem como discurso e prática de terapia válidos e, se é assim, precisam de uma salvação quântica para se livrarem do que são: embuste, mentiras e circo.

Medicina quântica, terapia quântica, salto quântico, reprogramação celular quântica, cura quântica, coach quântico e uma infinidade de nomes terminados sempre com quântico ou quântica são encontrados em cursos e palestras no YouTube, Instagram, Facebook, dentre outras redes sociais, competindo, talvez, com a onipresença dos anúncios de ”Trago seu amor de volta em sete dias” das ciganas nos postes de luz dos centros urbanos das grandes cidades. A ideia dessa turma é que é possível alterar a realidade e realizar ações utilizando apenas o poder do pensamento. Não confundamos aqui o comando que damos ao pensamento para realizar tal coisa, como andar, tomar banho, escrever, ler e correr, por exemplo, como evidências de que, sim, o pensamento muda a realidade por sua própria força. Os terapeutas quânticos, vamos chamar assim todos aqueles envolvidos nessas falcatruas, trabalham com a ideia de que são capazes de gerar energia ou produzi-la, através de alinhamento energético ou vibracional (alinhar energias com algo e alinhar a nossa energia com outra vibrando na mesma intensidade) e a partir disso produzir curas milagrosas, sem ser preciso a atuação no campo físico. Isso tem cheiro de fantasmagoria, isto é, de uma realidade um tanto não material, como se fosse fantasmática. Fantasmático, aliás, foi o que Einstein disse de certos efeitos da mecânica quântica. Esse aspecto da física quântica se traduz nas terapias e modas quânticas como a crença de que a consciência humana pode alterar diretamente o estado físico das coisas palpáveis, quando não há nenhuma evidência disso. Esses terapeutas se vendem através das máscaras da própria ciência da física quântica, falando de física de partículas, onda, frequência, fótons, a intrigante teoria das cordas e das supercordas de Edward Witten, equações matemáticas, a teoria do Big Bang, citam gênios da ciência como Erwin Schrödinger, o próprio Einstein, a filosofia de Platão e aí colam o esoterismo de coisas como energia metafísica chamada de prana, medicina energética, energia cósmica, dentre tantos outros, vestindo com uma roupagem científica a terapia quântica que levará um nome específico conforme a ocasião e necessidade de propaganda e marketing.

A energia que move nossas células e as alimentam vem dos alimentos que ingerimos e provém de processos bioquímicos do próprio corpo, sem nenhuma relação com energias esotéricas. Há ainda a alegação de que a mente pode curar o corpo através de uma ação de efeito placebo sobre o corpo, sem evidência nenhuma que a afirmação gratuita de que tal coisa é possível. Veja-se que não se rechaça aqui a ideia de que isto seria algo desejável ou agradável mas antes, o que se quer, é que não se cultive, credite e se perpetue ideias falsas, mentirosas, enganosas, por mais belas que sejam. Quem não gostaria de, com a prática da yoga ou meditação, como os terapeutas quânticos falam, ter anulado o efeito do câncer nas células? No entanto, tal coisa é uma irresponsabilidade sem tamanho quando afirmada como possível, verdadeira e combater essas farsas é algo que se soma ao esforço de, sim, avançarmos na compreensão da realidade e alterá-la de verdade e não chafurdar na lama na ilusão de se está no paraíso.

Termos mercado para este tipo de embuste explica o que o historiador Braudel falava de longa duração. Na história a mudança de pensamento das pessoas, as estruturas da sociedade, demoram séculos para mudar e são muito lentas. Não é porque o progresso tecnológico se faz evidente que a forma de pensamento das pessoas também se desenvolveu de forma espetacular. Na Idade Média havia o pensamento mágico, misturado ao religioso, que fazia as pessoas, sem educação e compreensão da realidade, por falta de conhecimento, acreditasse em todo tipo de magia e superstições. Esse pensamento, de alterar a realidade de forma automática, de acordo com o desejo e a vontade, se mantém vivo hoje e parte dele, porque é muito disseminado, está na popularização de coisas como as terapias quânticas.

Quando o magnetismo e a eletricidade surgiram também foram aproveitados pelos charlatães daquela época, e o fizeram valendo-se do desconhecimento do público acerca do que era o magnetismo e a eletricidade. Colchões e chinelos magnéticos, que alinham energias de acordo com as vibrações do universo, existem desde a década de 1980. Compreendido o magnetismo e a eletricidade, o apelo diminuiu mas não desapareceu; ainda existem sapatilhas e colchões que prometem curar de tudo, bastando caminhar e deitar neles – claro, depois de uma grana bem generosa para adquiri-los.

A enganação que se perpetua, em tempos de gente que acredita que a terra não é redonda, não surpreende. A pós-verdade é hoje um modo bonito para dizer que qualquer pessoa pode acreditar no que quiser e que a distinção entre verdade e mentira não interessa mais, ou ninguém precisa mais se sentir na responsabilidade de provar as suas próprias ideias. Basta um questionamento e vemos saltar o pedido de “respeite minha opinião”, confundindo respeito com a tolerância ao absurdo e aceitação da avacalhação intelectual como natural.

As terapias quânticas desvirtuam a dualidade partícula e onda. Dizem, incorretamente, que tudo é composto por ondas, tudo; é a forma como enveredam a receita do embuste: se tudo é composto por ondas – órgãos humanos, estados de espírito, doenças, células humanas, enfim, tudo – então tudo é uma questão de vibração e frequência. Desta forma, basta alinhar as pessoas e seus problemas com a frequência correta e tudo será restaurado; doenças como o câncer desaparecerão, dores de coluna terão fim, ansiedade nunca mais, tudo isso por conta de um alinhamento de células do corpo da pessoa com a vibração energética do universo. Tal coisa é, de longe, uma estupidez circense, uma encenação sem o mínimo pudor. Se usam a mecânica quântica para dizerem que curam as pessoas, e dizem que podem fazê-lo, estão fazendo algo verificável. No entanto, não se tem verificação de cura através dessas falácias e, quando questionados, dizem que o problema é que o paciente não se deixou alinhar de acordo com a vibração energética universal. A desculpa para esconder a falcatrua abre novas falcatruas, em cursos que prometem ensinar na vibração correta para atingir o que se quer. É o charlatão transferindo a culpa para o cliente. Dentro de uma perspectiva neoliberal ainda encontra apelo, pois se reforça que a situação do sujeito é unicamente culpa dele; se a terapia não funcionou é porque não se esforçou o suficiente, enfim, o fracasso e o sucesso são encarados como algo individual. É a saída perfeita para se eximir de toda responsabilidade e ainda embolsar gordos lucros à custa da credulidade alheia.

As terapias quânticas se vestem de ciência, e não de qualquer ciência, mas de uma ciência avançada, de ponta, como o é a mecânica quântica e, depois, se a terapia não funcionar, negam o princípio de causa e efeito de qualquer ciência básica, isolando o problema no paciente. Que ciência é essa que não funciona, se dizem que tudo é energia, vibração e frequência, e depende do paciente? A biologia, a física, a matemática, precisam da adequação das pessoas para serem validadas e se mostrarem verossímeis?

Todas essas práticas chamadas de integrativas e complementares em processos terápicos geralmente tem seu próprio objeto de trabalho, como a homeopatia ou acupuntura, reconhecidas pelo Conselho Federal de Medicina, mas insistem, muitas delas, em associar o termo quântico à sua denominação, resultando em homeopatia quântica, acupuntura quântica e similares. Estas últimas não possuem comprovação científica nenhuma. O professor David Gorski, renomado pesquisador combatente dessas práticas duvidosas, tem no artigo https://sciencebasedmedicine.org/can-mind-body-practices-change-the-way-our-genes-react-to-stress/ um debate sobre a separação entre mente e corpo e reprogramação celular através de supostas terapias quânticas que desmontam esse embuste de forma cabal.

É preciso ter em mente que não se tem um embate gratuito com essas práticas que se utilizam do termo quântico. Se uma coisa se pretende ciência não há porque fugir dos métodos de comprovação científicos, como se dizem as terapias quânticas. Se agem de forma contrária só fazem confirmar que toda essa gama de nomes com práticas quânticas não passa de um grande charlatanismo, cheio de má fé e iludindo as pessoas de forma proposital. Há também, contudo, gente de boa fé acreditando nessas teorias e as consumindo. Nesse último caso verifica-se a máscara do próprio sujeito, senão um sintoma dele mesmo, em querer acreditar em tal coisa para lhe evitar encarar a verdade e os problemas reais de frente, sem fugir, mas acreditando e torcendo para que essas teorias se provem certas pois, desta forma, resolveriam os problemas de seu mundo de forma mágica, com um simples alinhamento de células, ou uma simples vibração energética.

As terapias quânticas provam a perpetuidade do pensamento mágico em diferentes matizes na sociedade humana. Acreditar que o mundo pode ser e deixar de ser o que eu quiser com algo inexistente, absurdo por si mesmo, falso, como alinhamento celular, ou reprogramação de células, ou vibração energética, é a mostra de que a racionalidade e a ciência humanas, tão criticadas por suas limitações para compreender o universo, é ainda uma conquista limitada, precisando, de tempos em tempos, como a democracia, de constante defesa e vigilância para não ser superada pelo misticismo e obscurantismo.

TOP – A ESTERILIZAÇÃO DO SENTIDO!

Em 2013, o produtor musical Carlos Eduardo Miranda escrevia, na seção Ilustrada da Folha de São Paulo, que “A Calypso é a verdade do povo brasileiro. O Chimbinha é um guitarrista genial. Ao mesmo tempo em que são musicalmente interessantes, eles têm uma coisa superbrega, que é a cara do Brasil”. Mais tarde, em 2007, numa palestra em Olinda, Ariano Suassuana arrebatou a plateia ao comentar o texto de Miranda, dizendo que “A Calypso é a verdade do povo brasileiro, que tem Villa-Lobos, Machado de Assis, Aleijadinho? Chimbinha é guitarrista genial. Sou escritor, sei que não se pode gastar adjetivos à toa. Se gasto adjetivo ‘genial’ com Chimbinha, o que vou falar de Beethoven? Eles têm uma coisa superbrega, que é a cara do Brasil. A cara do Brasil não é feia nem é brega, é muito bonita, e é essa que está aqui hoje”. Esse episódio reflete bem o uso das palavras desprendido da correspondência com o real ou, ao menos, um uso indiscriminado de palavras que, pronunciadas sem critério, acabam por exaurir a percepção da realidade.

É compreensível a busca humana por mecanismos, meios e tecnologias que simplifiquem o máximo possível a expressão de suas vontades. Dos deuses aos mágicos, dos alquimistas e místicos de todas as épocas aos coaches e literatura de autoajuda contemporâneos é sempre perceptível a perseguição ao poder total ou à conquista de um suposto segredo que, possuído, eliminará do percurso humano o trabalho, o suor e o enfado e entregará então as delícias e glória do prazer fácil e da vida sem esforço.

Esse desejo não se restringe aos desejos maiores do ser humano; também desce e se mistura às práticas mais comezinhas. A vida ordinária e vulgar de todos nós é farta em exemplos desse tipo. O ato de xingar, por exemplo, entrega o desejo de, com uma palavra, expressar a totalidade de nossa ira. O “foda-se”, tão em moda hoje em dia, ou o “vá tomar no cu” são exemplos do desejo humano de, com uma palavra, fazer acontecer algo de poderoso, para o bem ou para o mal.

Entretanto, esse desejo de simplificação do mundo pelas palavras, em sua estética contemporânea, não está ao serviço de uma facilitação de compreensão do mundo mas de uma aceitação imediata da realidade, sem reflexão, para agilizar o consumo e giro das coisas. Essa simplificação do mundo por vocábulos virais, que surgem a cada momento, pode ser bem definida no uso da palavra TOP para tudo. Antes de prosseguirmos, importa dizer que não condenamos o seu uso ou que o mesmo não possa ser usado. Não se quer aqui perpetuar o preconceito linguístico que enquadra as pessoas segundo as palavras que de suas bocas saem. O que se pretende aqui é fora dessa suspeita, ou pretendemos ser. Há legitimidade para se usar a palavra TOP mas o que aqui se acusa é o seu uso geral para qualificar diferenças; falando de outra maneira, o problema do TOP é seu emprego sem critério que acaba por diluir o sentido daquilo mesmo que quer expressar.

Quando uma única palavra se torna o adjetivo geral usado para qualificar tudo não estamos mais no reino onde a linguagem é usada para nomear mas antes para reificar o real, ou seja, para tomá-lo como coisa em si e não como resultante do trabalho humano. Quando tudo é TOP já nada é e nem pode ser, não havendo mais diferença de conceito, uma vez que para ser e saber é necessário definir o que não é e afirmar algo e negar algo, forma pela qual, na definição da diferença pela identificação do que é e do que não é, produzimos o conhecimento.

Claro que há coisas TOP mas o seu uso, independente de classe social, expõe nossa preguiça de discernir e qualificar com mérito e exatidão as coisas, fugindo do esforço de qualificar a vida e as situações da mesma.

TOP é mais um desses sintomas que revelam a desidratação da vida e o abobalhamento do convívio social, produtor de relações esvaziadas, que as enche com lambidas fáceis do ego, ego alimentado com vocábulos que deveriam dizer muito mas graças à sua generosidade acabam por nada dizer. TOP tem todo direito de estar nas nossas bocas mas seu uso para situações distintas, decisão nossa, nos entrega como incautos e robóticos em um mundo digerido e acrítico que nos ilude dele participar quando o que fazemos na verdade é exercer um arremedo do que poderíamos fazer, seja no discurso com as palavras (nos comunicamos tanto e nada dizemos) seja nos atos cotidianos que tomamos.

TOP não é a primeira e nem a última moda vocabular inexistente de conteúdo por seu uso sem escrutínio. Ela é a expressão de nosso apequenamento, de nossa idiotização comum, que se veste e transveste de várias formas, querendo enganar ao tentar fazer de experiências rotineiras algo extraordinário com a atribuição de vocábulos supostamente suficientes por seu alegado sentido grandioso, como TOP, mas que, de real, se mostram caricatos, vazios e esgotados em sua significação, ao usar coisas como TOP para querer tudo dizer que, ao final, acaba por nada dizer.